21 dezembro 2006

A prenda de Natal

Entrou então aquele homem com a mão a coçar a cabeça num ai Jesus desgraçado de quem quer muito uma coisa que não há forma de encontrar. Disse:
"Era um abre-latas, ó fachavor, que é Natal!"
Mas a tenda de quinquilharias só tinha Senhoras de Fátima, galos de Barcelos, um Eusébio que dizia Portugal em plástico e canetas de Coimbra com a Universidade a boiar num líquido verde.
"E abre-latas, não tem?"
O ora deixe cá ver mostrou então uma Amália de há 30 anos, um punhado de terços por benzer, isqueiros e alguns lenços de lavradeiras ao lado do caixote dos santinhos milagreiros.
"Não quer um corta-unhas? Trazem lima e são baratinhos!"
Disse o comerciante de palito na boca.
"Pois, mas o que eu queria era mesmo um abre-latas, sabe, obrigadinho na mesma, Boas Festas!"
Seria meio-dia e hora dum prato cheio de comida na tasca. Mas a ideia de um abre-latas não lhe saía da cabeça suada que limpava agora com um lenço da mão, aquele homem. Como era difícil abrir sorrisos e tirar olás. Então sem um abre-latas, mais difícil ainda não cortar-se no frio do alumínio sem abertura fácil de argola.
Do balcão veio então e desesperadamente o
"Era um prego, ó fachavor, que continua a ser Natal!"
E levou à boca a primeira garfada, aquele homem, como quem alimenta um sonho com cara de boneco de barro que não se mexe do presépio até que Janeiro passe.

* (Um grande beijinho de Boas Festas a todos os que por aqui passam.)

24 Comments:

At quinta-feira, dezembro 21, 2006, Anonymous Anónimo said...

Este texto tocou-me e nem sei bem como hei-de comentar, vá-se lá saber porquê... às vezes dou por mim a ir pela rua e a observar as pessoas [ ainda mais nesta azáfama de Natal ] e penso que reparo em pormenores que mais ninguém tem tempo para ver: é o senhor que coça a cabeça atrapalhado com a falta de tempo, é a idosa a pedir dinheiro à porta da Igreja, é o menino estrangeiro a entregar calendários... é um dia-a-dia que não interessa a ninguém. Nem em plena época dita natalícia e cheia de paz e amor. Queria também abrir sorrisos e tirar olás. Não sou a pessoa mais rica do mundo nem ando de abra-latas na mão. Mas gosto de oferecer olás a quem os merece. E eles [ muitos ] merecem alimentar-se de sonhos tanto como nós, ainda que nos custe a nós um sorriso.

Bruna, ainda bem que não sou a única a pensar sobre o assunto. Ainda que seja um texto ficcionado, anda aí muito boa gente a precisar de abre-latas para abrir sorrisos antes que eles congelem...

Beijinho grande*

Gostei muito! :)

 
At quinta-feira, dezembro 21, 2006, Blogger marta r said...

Que fantástico conto de Natal. Adorei "visioná-lo"...

 
At quinta-feira, dezembro 21, 2006, Blogger Bruna Pereira said...

Vanessa:

Pois é, então temos o mesmo problema, o que nos corta por dentro, o de pensar muito nas coisas que não nos deviam importar. E não sei bem medir e dizer-te que se calhar há aqui mais realidade que ficção... Não sei distiguir, misturo sempre. Preciso disso.

É um problema fatal, eu sei...

Obrigada por teres aparecido aqui,
Um desejo sincero de Boas festas. :)

 
At quinta-feira, dezembro 21, 2006, Anonymous Anónimo said...

Com ou sem cenouras, desejo-te um Feliz Natal Bruna.

bjs

 
At quinta-feira, dezembro 21, 2006, Blogger Bruna Pereira said...

Avusa:

Tás-me a sair muito intelectual... ;)
Eu disse cenouras, mas podia ter dito alface, ou couves, ou pimentos...
Nesse estudo o QI não discrimina os vegetais, pois não?

Beijinhos e Bom Natal para ti também.
:)

 
At quinta-feira, dezembro 21, 2006, Anonymous Anónimo said...

Bruna, aqui entre nós, fui um grande calão na escola. CHIIIIIIIIIIIIU. Chumbei 2 anos no 10º e no 11º. Nunca me deu para o intelectualismo. Queria era curtição. Até na Faculdade tive que fazer um exame a geometria descritiva.

Ah, e não uso óculos, até porque o oftalmologista me disse que via muito bem.

Deixei de comer carne e passei a ler mais livros, mas nem por isso deixei os prazeres da vida de lado. Antes pelo contrário. :)

bjs grandes de Natal. Continua com a tua maneira muito pessoal de comentar. Gosto e faço questão de ter a boneca de porcelana no meu espaço…

 
At quinta-feira, dezembro 21, 2006, Blogger Bruna Pereira said...

Avusa:

Pois... Vistas bem as coisas, eu realmente fui muito mais croma na escola do que tu... Nem vou comentar, é melhor.

Fica bem :)

 
At quinta-feira, dezembro 21, 2006, Anonymous Anónimo said...

check your email…

 
At quinta-feira, dezembro 21, 2006, Blogger PAULO SANTOS said...

Um beijo longo para ti Bruna...
Adorei o conto. Muito sinceramenyte surpreendeu-me pela positiva!!!!!
Parabenizo-te!!!!!

Agradeço-te o teres adquirido "passe" par o Interior Norte! è sempre bom sentir-te por lá!!!!

Desejo-te um bom Natal minha querida amiga!
Repleto de emoções e prendas!!!!!!

Teu amigo

Paulo Santos

 
At quinta-feira, dezembro 21, 2006, Anonymous diana said...

"Como era difícil abrir sorrisos e tirar olás."
só tu para te lembrares disto!

boas festas para ti também. um abraço e dois beijinhos de uma leitora que admira estes teus rasgos de inspiração [:

 
At sexta-feira, dezembro 22, 2006, Blogger LucioInferro_Adolfo said...

Era um bom Natal para a Bruna Pereira fachavor, que continua a ser Natal.

Está excelente pá, é a imagem perfeita de um Portugal escondido atrás das colmeias com forma de prédios.

Lindo texto, parabéns...casa connosco nina.

 
At sexta-feira, dezembro 22, 2006, Anonymous Lady_DeathStrike said...

Parece-me que ele ia bem "aviado" com o galo de barcelos, mas ja que insiste no abre latas...

Feliz, Feliz, Feliz... Natal :)

 
At sexta-feira, dezembro 22, 2006, Anonymous Dom Quixote said...

Com pouco tempo para passar por aqui ultimamente.
MIL PERDÕES.

Mas com tempo de agradecer os teus textos e desejar-te um excelente natal.

Voamos?

 
At sábado, dezembro 23, 2006, Blogger pensamentos_vagabundos said...

festas felizes e um beijo vagabundo

 
At sábado, dezembro 23, 2006, Blogger kurika said...

Excelente!

...para ti...desejo-te um muito feliz Natal junto dos que te são mais queridos...

Um beijinho

 
At domingo, dezembro 24, 2006, Blogger Isabel said...

Passei porque não podia deixae de te vir desejar um feliz Natal.
Um beijo do tamanho do mundo.

Isabel

 
At terça-feira, dezembro 26, 2006, Blogger Bruna Pereira said...

Lady_DeathStrike:

Sim, o galo de Barcelos era uma boa compra de Natal, mas infelizmente não era o que precisava aquele homem.
Pobre homem...

Muitos beijinhos, Albana :)

 
At quarta-feira, dezembro 27, 2006, Blogger mfc said...

Há alturas que nem mesmo com o abre latas!

 
At quarta-feira, dezembro 27, 2006, Blogger musalia said...

o natal já foi (esse, que se entendeu comemorar) e o ano novo virá em breve. os melhores desejos para 2007, com muitas palavrinhas para nos alimentar no caminho :)

beijos.

 
At quinta-feira, dezembro 28, 2006, Blogger LucioInferro_Adolfo said...

Boa páscoa

 
At sexta-feira, dezembro 29, 2006, Blogger kurika said...

Feliz 2007

Beijinhos

 
At sexta-feira, dezembro 29, 2006, Blogger o alquimista said...

Após em interegno obrigatório chego na saudade e deixo-te um sortilégio para iluminar o caminho até ao Alquimista onde te espero com ternura...

Mágico beijo

 
At sábado, dezembro 30, 2006, Blogger pensamentos_vagabundos said...

um feliz 2007 e muitas viagens vagabundas...beijo vagabundo

 
At quarta-feira, janeiro 03, 2007, Anonymous joaofalcato1 said...

Os teus textos encantam-me!
Nem sempre temos as prendas que esperamos, mas é sempre quadra festiva...O pai Natal nem sempre nos pode dar a "prenda" ou sequer passar na nossa chaminé, mas... Sai um prego também para mim.
Beijinhos

 

Enviar um comentário

<< Home