27 novembro 2007

M-A-T-U-T-I-N-O

A rapariga empapelada viaja manhã acima em Arial Bold. Debaixo do braço, encosta-se às 8h, espera pela bica
e fica
pousada em meio balcão.
Secção do INSÓLITO.
Boceja em adoçante dentro do prazo. Papel reciclado. Cotovelo em empurrão.
- Maldição da celulose!
Enquanto o dia se bebe, a rapariga segura em caixa alta o título que lhe deram em terceira coluna. Página ímpar. Canto inferior esquerdo. Não há consideração - erro em psicoze...
Foto com má resolução...
Como se não bastasse
quem o café lhe entornasse,
convidam-na à lixeira.
Jornal pingado não se lê.
- Dá para acender a lareira
ou assar castanhas, não é?

E por desdita do mundo, a rapariga morre de pé.
Com as palavras-cruzadas no fundo.

8 Comments:

At terça-feira, novembro 27, 2007, Blogger Maria del Sol said...

Um dia ainda vais ser uma manchete duma boa notíca. Daquelas que se recortam para guardar num álbum. E recordar sempre com alegria :)

 
At terça-feira, novembro 27, 2007, Blogger Tó Gomes said...

morre de pé, enterra-se de pé, empapelada para não chamar bicho.

 
At quarta-feira, novembro 28, 2007, Blogger musalia said...

e assim passam os dias, o que vale são as cruzadinhas :)

 
At sexta-feira, novembro 30, 2007, Blogger Rui Luís Lima said...

olá bruna pereira!
só desejamos que esta imagem da rapariga consiga fugir de forma airosa das páginas do matutino, e tenha vida como esse seu primo chamado Pinóquio:)
beijinhos e bom fim-de-semana
paula e rui lima

 
At sexta-feira, novembro 30, 2007, Blogger ABB said...

Jornalismo, semiótica, café, notícias, palavras, estórias. A notícia é um bem perecível. Adoro o poema. Não podia deixar de o dizer.

 
At domingo, dezembro 02, 2007, Blogger Chris Rodrigues said...

E o papai noel nos disse Bom dia, meninas!

Bjos

 
At segunda-feira, dezembro 03, 2007, Blogger joão marinheiro said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At segunda-feira, dezembro 03, 2007, Blogger joão marinheiro said...

Uma coisa sei. Já não dá para fazer embrulhos para as castanhas, daqueles que se faziam a parecer um cone. Proibido a bem da globalização, dizem os senhores em Bruxelas, e depois quem é que se vai importar com uma rapariguinha mesmo empertigada logo pela manhã a cheirar a café entornado. Quem? Ainda se fosse uma rapariguinha do shoping bem bonita e perfumada...
Beijinhos marinheiros.

 

Enviar um comentário

<< Home